Arquivo

Posts Tagged ‘Universal Shooting’

Florida Open 2018



Resultados detalhados: https://practiscore.com/results/new/51131

Anúncios

IPSC US Nationals 2013 – Frostproof/FL

us_nationals_frost_13_2

Prova muito boa aqui no estande do Frank Garcia em Frostproof/FL. O nível técnico foi excelente e bem diversificado. Tivemos todos os fundamentos do IPSC nesta prova, sendo assim os mais técnicos se sobressaíram.

Dois dos melhores “top shooters” americanos da Production, Dave Sevigny e Robert Vogel migraram para a Standard neste ano, aumentando e muito o nível desta divisão. Vogel é o atual campeão mundial da Production e Sevigny venceu o mundial de 2005. Na minha opinião esta mudança foi devido a ida do Eric para a Production que está “nadando de braçada”. Porém a grande revelação foi o Nils Jonason, que alem de ter ganho aqui em Frostproof, ele recem ganhou o USPSA Limited Nationals e Limited 10 Nationals. O cara está afiadíssimo e muito bem preparado psicologicamente.

Meu desempenho foi razoável, finalizei a prova em 6º com 93%. Tive uma pista zerada, 6 miss e 3 no-shoot. Dentro desta realidade este percentual foi excelente. Pequenos erros ainda estão ocorrendo, porém a cada prova que passa eu estou mais experiente. O aprendizado é infinito…

Desde Vitória eu mudei a configuração da minha munição. Abandonei os projéteis que eu tanto gosto de 220gr para os de 200gr. Desta maneira, quando eu precisar treinar antes de algum evento fora do Brasil eu não irei estranhar tanto a batida da arma. Obrigado a Lyon Bullets pelo apoio e torcida de sempre.

Amanhã vou para Tulsa/OK disputar o USPSA US Nationals de Production. Não é a minha “praia” mas farei o meu tiro e quem sabe obter uma boa colocação.

Infelizmente não fiz muitas imagens para não tirar o meu foco. Os vídeos abaixo foram feitos com a Tachyon HD. Eu recebi uma de presente do representante aqui dos Estados Unidos e gostei muito da qualidade e praticidade desta câmera.


overall_us_nationals_ipsc_13

Florida Open 2013

18/fevereiro/2013 21 comentários

Neste final de semana participei da minha primeira prova em território americano, em uma das mais tradicionais provas do mundo – o Florida Open. Esta competição tem como marco a abertura da temporada, com premiações em dinheiro e armas para os primeiros colocados. Frank Garcia, da Universal Shooting, deu um belo exemplo de organização, estrutura, marketing e profissionalismo.

Foi uma prova muito prazerosa, alvos velozes porém com variações inteligentes de distâncias. Foram 10 pistas disputadas em um total de 300 disparos mínimos, ou seja média de 30 disparos por estágio. Porém, na minha opinião, o que marcou este campeonato foram os alvos móveis. Todos com no-shoot e com uma abertura bem diferente do convencional. O braço destes alvos estavam bem mais distante do eixo como de costume, dificultando e muito a minha vida e a dos demais atletas que não treinam neste tipo de móvel. Tivemos um em especial, na minha última pista do campeonato, que foi duplo e pela metade, a 25m e com no-shoot no meio. Deu para imaginar? Na minha opinião, este foi um dos alvos mais difíceis nos meus 16 anos de tiro.

Muitos dos “top shooters” mundiais das principais divisões estavam presentes. No caso da Standard, que aqui nos US é chamada de Limited, 3 dos 4 atletas da principal equipe americana disputaram. Blake Migues, atual campeão mundial, fez a prova inteira na sexta feira e estava em primeiro nesta primeira parcial. Eu optei em fazer a prova em dois dias, sábado e domingo.

Desde o último campeonato mundial, no qual tive problemas com a munição do evento, estava ansioso por este momento. Disputar de igual para igual contra o melhor do mundo com a minha munição. Disparei como de costume com os projéteis da Lyon Bullets de 220g com a minha Tanfoglio Limited Custom HC. Ambos funcionaram como um relógio!

No sábado o tiro iniciou às 7h, para disparar 6 estágios até o horário do almoço. Comecei morno, fiz uma segunda pista excelente e na terceira do dia fiz 2 miss, 1 em cada alvo móvel dos 4 existentes. Finalizei bem as 3 últimas pistas, ganhando uma delas. Chegando no hotel, peguei meus resultados e comparei com os do Blake. Eu estava 572 pontos atrás e eu tinha 585 em jogo em 4 pistas restantes. Ou seja, eu estava na briga, porém sabia que precisaria ser impecável e praticamente vencer todas as pistas ou perder uma média de 3 pontos por pista.

No domingo comecei à tarde. Fui bem na primeira pista e perdi apenas 1 seg em um alvo móvel. Isso me custou 9 pontos e a perda do primeiro lugar na pista. Fui para a segunda e venci, missão cumprida. Já na terceira baixei 1 seg do vencedor da pista, mas fiz um miss ridículo que não entendi até agora- acabei perdendo mais 7 pontos. Nessa fase da prova eu estava com 16 pontos em desvantagem para os 585 em jogo do dia. A minha diferença era de 572 pontos, e se eu ganhasse a última pista chegaria a 569.

Matematicamente eu não tinha mais chances de vencer a prova, deveria fazer a última pista segura e limpa. Entretanto, não fiz esta matemática exata durante o campeonato e ainda achava que seria possível vencer. Fui para a última pista para o tudo (1º) ou nada (3º). E para “ajudar”, este foi o estágio daquele alvo móvel dificílimo a 25m que mencionei acima. Fiz o menor tempo da pista, porém com 2 miss neste móvel, mais um miss em uma chegada de posto em movimento.

Concluindo, ganhei experiência e mais uma bagagem nas costas. Finalizei de certa forma frustrado, porém satisfeito com o 3º lugar no overall da Standard. Ganhei como melhor estrangeiro e também na classe Unclassified (por ainda não ter ranking na USPSA). Com essas colocações fui premiado com 2 armas Tanfloglio!

Tenho apenas 3 vídeos, graças ao meu amigo do Águia o Alex, que me filmou. Peço desculpas por não ter mais imagens, mas eu precisava focar 100% no meu tiro.

Top 5 Overall Limited Division:

1 – Blake M – GM – 100%
2- Shannon S – GM – 96.9%
3- Jaime S – U – 95.8%
4 – Manny B – GM – 90.9%
5 – Lesgar M – GM – 89.7%