Archive

Posts Tagged ‘Open’

E lá se foi mais um ano: 2016

Após disparar 4 anos na Standard e 1 ano na Production, achei que poderia ter alguma dificuldade de readaptação na minha boa e velha pistola Open.

Entretanto, ao contrário do que imaginei, os 5 anos de “Iron Sight” me fizeram evoluir em muitos fundamentos. Alguns até que eu desconhecia. A Production em específico, é uma divisão mágica. Se fizer um ou outro Charlie, mesmo com tempo mais baixo, normalmente você irá perder o estágio. É uma baita escola no sentido matemático do jogo do IPSC.
A troca de divisão é sempre muito válida, no meu ponto de vista. Basta reparar nos ponteiros pelo mundo, principalmente os americanos, que estão sempre “pulando” de divisão. No Brasil ainda não temos essa cultura, mas talvez seja questão de tempo.

Já percorri uma longa estrada. São 20 anos dedicados ao esporte, e sinto que nos últimos 3 amadureci bastante. Aprendi a controlar melhor minha mente, a administrar a ansiedade e o que sempre foi mais difícil para mim, lidar com minha própria pressão. Por não ter treinado nesse ano, fui obrigado a disparar com mais tranquilidade e segurança para não errar. A estratégia funcionou e foi nesse ano que fiz as minhas 2 melhores provas internacionais da minha vida. Finalizei o Flórida Open (vídeo) em primeiro lugar, sendo o único competidor sem penalidades em uma prova difícil e extremamente técnica. E no Campeonato Europeu, que aconteceu na Hungria, fui vice-campeão disparando bem e também limpo. Tive apenas uma falha grave na pista 6 da prova, que pode ter custado o título.

Abaixo segue o vídeo do European Handgun Championship de IPSC 2016 sediado na Hungria e mais abaixo a última etapa do Campeonato Brasileiro sediado na cidade de Medianeira/PR (com direito e conhecerem meus técnicos no final do vídeo, rs…):

European Handgun Championship – Hungria 2016

Etapa Final do Brasileiro de IPSC – Medianeira/PR 2016

Um agradecimento especial a estes caras abaixo. Sem eles nada disso seria possível.

sponsors2

Tanfoglio – www.tanfoglio.it

Guga Ribas – www.gugaribas.com.br

Lyon Bullets – http://projeteispintados.wordpress.com

Crossfit Campo Belo – crossfitcampobelo.com

Geco – geco-munition.de/geco-world/ruag.html

Clube de Tiro Águia de Haia – www.aguiadehaia.com.br

Tachyon – www.tachyoninc.com

Fellows – www.fellows.com.br

AHM – michael.ewerton@oi.com.br

Spotblu – silvio@sportblu.com.br

Dedico esta vitória ao meu querido “Pepino” – I Brasileiro de IPSC 2016

Jaime_pista_2

O campeonato brasileiro de 2016 começou com força total. O palco do evento foi o Clube de Tiro de Atibaia que fica a 80Km do centro de São Paulo. Tivemos lotação máxima e os squads ficaram com aproximadamente 17 competidores divididos nas 18 pistas. Além dos 300 competidores no main match, tivemos quase 100 competidores no pre match incluindo os ROs. Acredito que tenha sido o maior Brasileiro de todos os tempos em todos os sentidos.

As pistas tiveram um alto nível técnico e bastante diversidade nos fundamentos. Tivemos poppers a 45m, alvos até 40m e muitos móveis com no-shoot, exigindo o máximo de cada atirador. Uma novidade para muitos foi o EMS (Eagle Match Score), sistema de apuração desenvolvido por um grupo de amigos do Águia de Haia, tendo meu pai, Roberto Saldanha, encabeçando o projeto. O EMS já está em teste há algum tempo nas provas da FPTP. Dispensa o canhoto de papel e após a confirmação do competidor no tablet, o resultado já está inserido sem a necessidade de uma equipe de digitadores. Uma maneira de evitar erro de digitação e garantir o resultado após o último tiro da prova. A equipe do EMS tb colocou uma televisão com o resultado em tempo real por área. Rápido, eficaz e interativo! Foi super aprovado por todos!

Disparei no squad 15 composto somente por amigos e na grande maioria atiradores top disparando de Tanfoglio. Desse squad saiu o campeão Open overall, Classic overall e os 5 primeiros da Production overall.

Já pensando no mundial de 2017, nesse ano resolvi voltar de vez para a divisão Open. Fiz minha segunda prova do ano e me senti muito a vontade mesmo numa prova tão difícil e sem tempo para treinar. Desde o início do ano devo ter dado pouco mais de 500 disparos.

Acredito que a Open seja realmente minha principal divisão. Entretanto, reconheço que minha passagem pela Standard e Production foi de extrema importância. Aprendi muito nesses últimos 5 anos. Alguns fundamentos foram lapidados e hoje estou disparando de open com mais facilidade e segurança. Fiz 96,1% dos pontos possível nesta prova. Mais uma vez agradeço: Lyon Bullets, Tanfoglio, Guga Ribas, AHM, SportBlu e Geco.

Finalizo esse post dedicando minha vitória ao meu maior fã e amigo, “Pepino”. Sem dúvida ele foi a pessoa que mais torceu por mim ao longo destes 20 anos de tiro. Tanto é que eu fazia questão que ele fosse o primeiro a saber das minhas principais conquistas fora de Atibaia. Sempre ligava ou mandava mensagem… Ele vibrava e chorava cheio de orgulho. Sempre ajudou nos meus treinos, nos meus cursos e até estratégia de pista ele já me passou. Por coincidência ele começou a trabalhar para a FPTP no mesmo ano que eu comecei no tiro, em 1996. Desde então iniciamos uma amizade que será pra sempre. Infelizmente ele nos deixou no dia 14/03/2016 na véspera do Campeonato Brasileiro. Um cancer avassalador não deu chances pra ele. “Obrigado por tudo Pepino. Vou continuar me dedicando para te encher de orgulho aí no céu!!!”

Pepino

Nosso grande “Pepino” em alguma confraternização da FPTP

 

Super Squad 15

Super Squad 15

 

Overall Open Division

Overall Open Division

 

Verify Jaime S Jr

Verify Jaime S Jr

Resultado completo: http://fptp.org.br/cta/

ProAm Shooting 2015 – Frostproof/FL

O ProAm Shooting é uma modalidade criada nos EUA e um pouco diferente das outras. No IPSC tradicional ou na USPSA temos o ponto dividido pelo tempo de cada pista, ou seja, quanto mais pontos somados no menor tempo possível, melhor. No Steel Chalenge, contamos apenas o tempo dos 4 melhores dentro das 5 passadas de cada pista, sendo 8 no total. Já no ProAm temos um tempo limite para derrubar o máximo de alvos metálicos na pista. Por exemplo, numa pista com 50 metálicos com diversos postos de tiro, eles te darão um tempo de 20 segundos. O objetivo é derrubar o máximo de alvos possíveis antes dos 20 segundos, sendo permitido apenas 10 munições por carregador. Quem derrubar mais dentre todas as pistas vence. Caso aconteça um empate, é feito um shoot off para definir o vencedor.

Além disso, eles dividem os competidores entre profissionais e amadores. Na “Pro” vale dinheiro e na “Am” mesa de premiação com prêmios muito bons. Já que estava lá, acabei optando pela Pro. Fazia tempo que queria participar desta prova e a experiência valeu muito a pena.  Sem dúvida nenhuma, foi uma das provas mais divertidas que já participei. Fiquei no mesmo squad do Max Michel – atual campeão mundial de IPSC na divisão Open, Dave Sevigny – bi campeão mundial Production, Shannon Smith – atual campeão do ProAm 2014, Jessie Duff – a melhor americana de Tiro Pratico e de mais outros top shooters americanos.

Comecei a prova totalmente perdido e na terceira pista comecei a me igualar aos caras. Este meu início me custou caro, mas consegui finalizar a prova em 3º lugar. Conclui a prova super satisfeito e de quebra ganhei uns dólares. Lógico que o objetivo do esporte não é ganhar dinheiro, caso contrário os atiradores brasileiros já teriam desistido. Porém é muito mais motivador quando existe um prêmio a ser alcançado. Por isso os americanos são mais profissionais e generalizando são os melhores. Nossos dirigentes deveriam pensar um pouco mais nos atletas e consequentemente em elevar o nível do nosso esporte, não apenas em benefício próprio e política interna.

 

 

 

 

 

3ª Etapa do Brasileiro de IPSC 2015 – Anápolis/GO

Nesse último final de semana participei da 3ª etapa do Campeonato Brasileiro, dessa vez na cidade de Anápolis.

Eu, meu pai e nosso amigo Mauro Thompson, partimos de SP de moto, na sexta-feira às 6:30h da manhã. Após rodar 1000 km, enfim chegamos ao nosso hotel. Arrumamos nossas malas, jantamos e “capotamos”.

No primeiro dia de prova acordamos às 5:15h para chegar a tempo no estande. A prova começaria às 7h, mas devido a alguns contratempos só teve início após às 8h. Por volta das 10h ainda houve uma pausa para a abertura (tardia) do evento.

Mesmo com esse atraso, a prova fluiu bem e terminou no horário previsto.

As pistas estavam com nível técnico mediano. A maioria dos alvos estavam de curta a média distância, onde a principal fonte de acréscimo nos tempos foram os “extra shots” nos alvos metálicos. Os experientes notaram isso rapidamente e trataram de caprichar o tiro nos diversos mini plates espalhados pelas pistas.

Na primeira pista e num alvo fácil a 10 metros, fiz meu primeiro e único miss, o que me colocou no eixo e me deixou mais atento no decorrer do dia.

Atirei firme, coloquei bem os tiros e consegui uma boa constância durante toda a prova. Finalizei o primeiro dia com 60 pontos à frente do Felipe e 80 do Ishihara. No segundo dia, mantive minha constância enquanto Felipe e Ishihara tentaram recuperar alguns pontos, entretanto acabaram errando mais.

Conforme planejei, farei todo o Campeonato Brasileiro de Production com minha Stock II da Tanfoglio.

O resultado final da Production foi: 120 pontos ou 10% na frente do Felipe e 165 pontos ou 14% do Ishihara. Só por curiosidade jogaram meu resultado atirando de Production (fator menor) na Standard e na Open. Ganharia nas duas também. Abriria 10% para o campeão Alvaro da STD e 7% do Leandro na Open. Isso mostra que atirar de fator menor nestas divisões, principalmente na Std, não é tão ruim quanto todos imaginam.

Resultado do Overall: http://www.cbtp.org.br/resultados

banner_tanfo_brasil

Lyon Bullets

Logo Guga

1º Open Tanfoglio Brasil de IPSC – 2012 – Standard x Open

Todos sabemos que a pistola Open é a F1 do IPSC. Porém, conforme já mostrei no meu DVD 2006, a diferença com a pistola Standard só ocorre em algos tarjados, distantes, metálicos, ou seja, somente quando necessitarmos de um cuidado maior ao efetuarmos os disparos.

As pistas do Open Tanfoglio, estavam rápidas na sua maior parte. E a diferença na “velocidade x precisão” dos disparos entre as pistolas Open x Standard não foi tão grande.

Vejam a simulação do meu resultado atirando de Standard no overall da Open.

Matéria na revista Double Alpha Zone – Fev. 2011

11/fevereiro/2011 12 comentários

O Eli Huttner, da Double Alpha, me contactou há um mês atrás aproximadamente, perguntando a minha disponibilidade em fazer um texto sobre o Latino- Americano.

Esta revista circula por toda a europa e tb em formato digital para um grande número de pessoas do e-mail mkt da DAA.

Para quem não sabe a DAA é do Saul Kirsch, sempre entre os 10 do mundo na divisão Open.


Link da revista DAA Zone (completa) – Feb 2011

Site: http://www.doublealpha.biz/

Teste de precisão de projéteis – 38super

 

Como muitos sabem, eu tenho uma parceria com meu amigo Roberto Pimentel da Buffalo Projéteis. O Cassiano também está disposto a ajudar da melhor forma possível com os projéteis pintados, que no meu caso serão para treino.

Minha nova Pistola Open vem original da Tanfoglio com 12 furos no cano, sendo 6 de cada lado em “V”, mais um compensador de 2 câmaras. Devido a nossa carência de uma boa pólvora para o calibre 38super, nossas armas sofrem muito e problemas não demoram para aparecer.

Pensando desta maneira, eu e meu pai pedimos para nossos parceiros desenvolverem uma ponta de peso aproximado a 130gr, aumentanto assim cerca de 5gr dos tradicionais projéteis de 125gr. Desta maneira conseguimos reduzir 0,5gr de pólvora tanto na ponta jaquetada da Buffalo como nas pintadas do Cassiano, poupando de forma singela nossos canos.



O teste foi feito com 5 tipos de munição:

1ª) Jaquetada – Buffalo: 130gr / 8,0gr de pólvora / Fator: 160,5
2ª) Pintada Cassiano: 132gr / 7,3gr de pólvora / Fator: 159,8
3ª) Original CBC: 130gr  / Fator: 137,0
4ª) Pintada Cassiano: 125gr / 7,8gr de pólvora / Fator: 160,9
5ª) Jaquetada – Buffalo: 125gr / 8,5gr de pólvora / Fator: 162,8

Obs:

– Sem velocidade – aproximadamente 1 disparo a cada 2,5s.


– Todos os disparos foram efetuados à 15m de distância
.

– Fiz os disparos em pé, sem o uso de apoios. Portanto podemos considerar uma pequena margem de erro para este teste.

 Resultado:Quero deixar aqui registrado a qualidade de todos os projéteis testados. Os jaquetados do Pimentel eu já conheço de longa data e só comprovou o que eu esperava, mas os projéteis pintados eu sinceramente fiquei surpreso com o resultado.

Conclusão:

Neste primeiro teste que eu fiz, o melhor agrupamento ficou sem sombra de dúvidas para a 1ª configuração de munição. O projétil de 130gr da Buffalo não teve nenhum disparo solto, todos se tocaram, formando um belíssimo agrupamento.

Já a arma, eu me assustei desde a primeira vez que eu fiz o Tiro Rápido de Precisão na etapa paulista de Avaré do ano passado, fiz os 200 pontos logo de primeira. Neste teste não foi diferente e se alguém tem dúvidas da precisão desta arma, está aqui a prova da evolução destas máquinas italianas.

Daqui alguns dias farei um comparativo entre estas mesmas munições, só que a análise vai ser sobre agrupamento com disparos sequanciais com velocidade, doble tap e a minha sensação com relação ao recuo.

Contatos:

Cassiano
Tel: 11 7821-7831
E-mail: cassianofilho@yahoo.com.br