Arquivo

Posts Tagged ‘Florida Open’

Frontsight Magazine

Esta manhã eu recebi um e-mail do meu parceiro Raymond da Tachyon (cameras): “You are on the latest USPSA Frontsight magazine. Congrats again!”

Imaginei uma fotinho ou apenas meu nome, mas assim que abri, visualizei uma foto minha de página dupla. Agradável surpresa! Estou super feliz, pois a Frontsight é a principal revista/vitrine do tiro prático no mundo.

Confira a matéria feita pelo Bret Walley. Tive o prazer de conhece-lo no Florida Open e disparamos no mesmo squad em uma prova em Clearwater/FL. Gente finíssima!!!

38_39

40

42_43

44

Florida Open 2016 na visão de uma leiga espectadora

27/fevereiro/2016 7 comentários

por: Tatiane Tie

Decidimos de última hora ir ao campeonato. Após alguns dias exaustivos de trabalho achei que merecia umas férias e no dia 4 de janeiro compramos nossas passagens.

Não lembro do Jaime ter mencionado sobre expectativa para esse campeonato e sei apenas que treinou 2 dias antes da prova. Ainda no Brasil falei que ele não deveria ficar chateado se não fosse bem porque realmente não se preparou.

No dia anterior a prova passamos no stand em Fostproof para ele dar uma olhada nas pistas. Ele me mostrou o Shannon Smith atirando e disse que era dos bons! Mas tava mesmo ansioso para atirar com Max Michel, atual campeão mundial de Open.

Shannon tinha avisado o Jaime que Max Michel atiraria na sexta no super squad, e por conta disso ele optou por atirar no mesmo dia. Infelizmente ele não compareceu. Jaime, como sabe a maioria, não teme desafios e por ser competitivo gosta de atirar com os feras.

No super squad estavam os brasileiros Caciano e Tiago Ordine, dois americanos e uma turma super animada da Jamaica. Entre eles dois dos bons – Lesgar “Speed” Murdock e Rory Wilson.

Como em todos os outros campeonatos grandes que acompanhei, bastou uma pista para o pessoal começar a falar com ele e logo na primeira pista Speed pediu para o Jaime ir mais devagar: “slow down”.  Fazia muito tempo que não via o Jaime atirar de Open e foi espetacular!!

Nas primeiras pistas foram mais de 4 segundos dos maiores concorrentes. Fiquei toda orgulhosa observando os cumprimentos e elogios dos ROs e também dos concorrentes.

Sou esposa e portanto, suspeita, mas tenho absoluta certeza que ele recebe cada elogio com surpresa e muita satisfação. Como se realmente não soubesse o quanto é bom. E na minha opinião, isso o torna ainda melhor.

Em uma das pistas tomamos um susto quando anunciaram miss. O mais bacana é que um dos jamaicanos da mesma categoria que o alertou que havia um tiro dentro do outro. Chamaram o ranger master e foi comprovado. Jaime atirou uma prova limpa e sem penalidades.

No final da prova já imaginava que poderia ganhar. Mas ainda faltavam os atiradores de sábado e domingo.

Felizmente ninguém chegou perto e ele foi o campeão do Flórida Open 2016. Na entrega da premiação, Shannon disse que o Florida Open não é uma prova qualquer e praticamente ninguém passou sem penalidades com exceção do Jaime. Disse também que ele fez uma boa prova e que havia tomado uma surra, 6%. Mais uma vez fiquei cheia de orgulho vendo tanto atirador elogiando e exaltando a vitória do meu menino. Foi uma linda reestreia. Foi lindo de ver!

 

Fl Open 16 results

Resultado geral: http://www.uspsa.org/uspsa-display-match-results-detail.php?indx=16729&division=Open&guntype=Pistol

 

ProAm Shooting 2015 – Frostproof/FL

O ProAm Shooting é uma modalidade criada nos EUA e um pouco diferente das outras. No IPSC tradicional ou na USPSA temos o ponto dividido pelo tempo de cada pista, ou seja, quanto mais pontos somados no menor tempo possível, melhor. No Steel Chalenge, contamos apenas o tempo dos 4 melhores dentro das 5 passadas de cada pista, sendo 8 no total. Já no ProAm temos um tempo limite para derrubar o máximo de alvos metálicos na pista. Por exemplo, numa pista com 50 metálicos com diversos postos de tiro, eles te darão um tempo de 20 segundos. O objetivo é derrubar o máximo de alvos possíveis antes dos 20 segundos, sendo permitido apenas 10 munições por carregador. Quem derrubar mais dentre todas as pistas vence. Caso aconteça um empate, é feito um shoot off para definir o vencedor.

Além disso, eles dividem os competidores entre profissionais e amadores. Na “Pro” vale dinheiro e na “Am” mesa de premiação com prêmios muito bons. Já que estava lá, acabei optando pela Pro. Fazia tempo que queria participar desta prova e a experiência valeu muito a pena.  Sem dúvida nenhuma, foi uma das provas mais divertidas que já participei. Fiquei no mesmo squad do Max Michel – atual campeão mundial de IPSC na divisão Open, Dave Sevigny – bi campeão mundial Production, Shannon Smith – atual campeão do ProAm 2014, Jessie Duff – a melhor americana de Tiro Pratico e de mais outros top shooters americanos.

Comecei a prova totalmente perdido e na terceira pista comecei a me igualar aos caras. Este meu início me custou caro, mas consegui finalizar a prova em 3º lugar. Conclui a prova super satisfeito e de quebra ganhei uns dólares. Lógico que o objetivo do esporte não é ganhar dinheiro, caso contrário os atiradores brasileiros já teriam desistido. Porém é muito mais motivador quando existe um prêmio a ser alcançado. Por isso os americanos são mais profissionais e generalizando são os melhores. Nossos dirigentes deveriam pensar um pouco mais nos atletas e consequentemente em elevar o nível do nosso esporte, não apenas em benefício próprio e política interna.

 

 

 

 

 

Florida Open 2014 – Frostproof/FL/US

Esta foi a minha primeira prova de 2014, depois de um bom tempo de férias das competições. Fiz uma prova tranquila, com pequenos deslizes e o melhor, de empunhadura nova. Depois de 16 anos disparando com o dedo indicador da minha mão esquerda no guarda mato, resolvi mudar e fazer o que eu sempre ensinei.

Fiz uma prova tranquila, com pequenos erros. Na média geral meus tempos foram bons, já a pontuação poderia ter sido um pouco melhor. Terminei a prova satisfeito e tive que aguardar o resultado por dois dias. Atirei tudo na sexta, quanto alguns concorrentes atiraram sábado e domingo. No final acabei perdendo por 3 pontos ou 0,2%… Fiquei na frente dos 2 últimos campeões mundiais… Estou ciente dos erros e feliz com o resultado!

Segue um vídeo feito pelo meu amigo Wagner Sarkis. Peço desculpas pelo atraso.

Grande abraço a todos.

fl_op_14

Florida Open 2013

18/fevereiro/2013 21 comentários

Neste final de semana participei da minha primeira prova em território americano, em uma das mais tradicionais provas do mundo – o Florida Open. Esta competição tem como marco a abertura da temporada, com premiações em dinheiro e armas para os primeiros colocados. Frank Garcia, da Universal Shooting, deu um belo exemplo de organização, estrutura, marketing e profissionalismo.

Foi uma prova muito prazerosa, alvos velozes porém com variações inteligentes de distâncias. Foram 10 pistas disputadas em um total de 300 disparos mínimos, ou seja média de 30 disparos por estágio. Porém, na minha opinião, o que marcou este campeonato foram os alvos móveis. Todos com no-shoot e com uma abertura bem diferente do convencional. O braço destes alvos estavam bem mais distante do eixo como de costume, dificultando e muito a minha vida e a dos demais atletas que não treinam neste tipo de móvel. Tivemos um em especial, na minha última pista do campeonato, que foi duplo e pela metade, a 25m e com no-shoot no meio. Deu para imaginar? Na minha opinião, este foi um dos alvos mais difíceis nos meus 16 anos de tiro.

Muitos dos “top shooters” mundiais das principais divisões estavam presentes. No caso da Standard, que aqui nos US é chamada de Limited, 3 dos 4 atletas da principal equipe americana disputaram. Blake Migues, atual campeão mundial, fez a prova inteira na sexta feira e estava em primeiro nesta primeira parcial. Eu optei em fazer a prova em dois dias, sábado e domingo.

Desde o último campeonato mundial, no qual tive problemas com a munição do evento, estava ansioso por este momento. Disputar de igual para igual contra o melhor do mundo com a minha munição. Disparei como de costume com os projéteis da Lyon Bullets de 220g com a minha Tanfoglio Limited Custom HC. Ambos funcionaram como um relógio!

No sábado o tiro iniciou às 7h, para disparar 6 estágios até o horário do almoço. Comecei morno, fiz uma segunda pista excelente e na terceira do dia fiz 2 miss, 1 em cada alvo móvel dos 4 existentes. Finalizei bem as 3 últimas pistas, ganhando uma delas. Chegando no hotel, peguei meus resultados e comparei com os do Blake. Eu estava 572 pontos atrás e eu tinha 585 em jogo em 4 pistas restantes. Ou seja, eu estava na briga, porém sabia que precisaria ser impecável e praticamente vencer todas as pistas ou perder uma média de 3 pontos por pista.

No domingo comecei à tarde. Fui bem na primeira pista e perdi apenas 1 seg em um alvo móvel. Isso me custou 9 pontos e a perda do primeiro lugar na pista. Fui para a segunda e venci, missão cumprida. Já na terceira baixei 1 seg do vencedor da pista, mas fiz um miss ridículo que não entendi até agora- acabei perdendo mais 7 pontos. Nessa fase da prova eu estava com 16 pontos em desvantagem para os 585 em jogo do dia. A minha diferença era de 572 pontos, e se eu ganhasse a última pista chegaria a 569.

Matematicamente eu não tinha mais chances de vencer a prova, deveria fazer a última pista segura e limpa. Entretanto, não fiz esta matemática exata durante o campeonato e ainda achava que seria possível vencer. Fui para a última pista para o tudo (1º) ou nada (3º). E para “ajudar”, este foi o estágio daquele alvo móvel dificílimo a 25m que mencionei acima. Fiz o menor tempo da pista, porém com 2 miss neste móvel, mais um miss em uma chegada de posto em movimento.

Concluindo, ganhei experiência e mais uma bagagem nas costas. Finalizei de certa forma frustrado, porém satisfeito com o 3º lugar no overall da Standard. Ganhei como melhor estrangeiro e também na classe Unclassified (por ainda não ter ranking na USPSA). Com essas colocações fui premiado com 2 armas Tanfloglio!

Tenho apenas 3 vídeos, graças ao meu amigo do Águia o Alex, que me filmou. Peço desculpas por não ter mais imagens, mas eu precisava focar 100% no meu tiro.

Top 5 Overall Limited Division:

1 – Blake M – GM – 100%
2- Shannon S – GM – 96.9%
3- Jaime S – U – 95.8%
4 – Manny B – GM – 90.9%
5 – Lesgar M – GM – 89.7%