Inicial > Dicas, IPSC, Notícias, Tiro Prático > Avaliação da Stock II – por: Luis H. Ishihara

Avaliação da Stock II – por: Luis H. Ishihara

Esta avaliação foi gentilmente enviada pelo atual e bicampeão brasileiro “Luis Henrique Ishihara”. Tenho o prazer e o privilégio em divulgar aqui no meu espaço.

Ishihara vem disparando nesta categoria há vários anos, onde já passaram alguns modelos de armas por suas mãos, tais como: Tanfoglio P23L, CZ Shadow, Tanfoglio Limited Pro e agora a Tanfoglio Stock II.

” Disparei aproximadamente 1000 tiros com a minha nova aquisição, a pistola Tanfoglio, modelo Stock II, para production no calibre .38 super auto.

Embora não sejam muitos disparos, já posso dizer que ela realmente foi feita para competição e é uma arma muito superior a outras semelhantes.

Arrisco dizer que dentre as armas da Tanfoglio direcionadas para a Production, a Stock II está em um patamar superior.

A primeira coisa que já chama a atenção, quando você pega a pistola, é o peso. Embora no site da Tanfoglio ela não seja mais pesada que, por exemplo o modelo Limited Pro, você sente que a pistola é mais pesada na parte da frente, certamente pelo frame alongado e pelo cano bull. Aliás, o cano também é um detalhe a parte.

Ação dupla: Como qualquer arma production, o gatilho em ação dupla é pesado vindo de fábrica. Mas na Stock II ele é mais leve e você já consegue disparar bem sem precisar fazer qualquer ajuste, mas é claro que o alívio do gatilho, seja qual for a arma, se torna necessário para a competição.

O curso de retorno do gatilho para armar o sistema de disparo em ação simples é muito mais curto e muito menor que, por exemplo, o da P23L e da Limited Pro. Isso não se deve apenas a existência do parafuso de regulagem do gatilho, o que permite ao atirador trabalhar no limite do curso e ajustá-lo de acordo com suas necessidades, mas também ao próprio mecanismo da arma. Aliás, testei o gatilho com regulagem em outra pistola tanfoglio, mas não consegui obter os mesmo resultados que na Stock II. Pra mim isso foi realmente um diferencial, pois “o gatilho” das armas production é um de seus maiores problemas, ante a dificuldade de ajuste e as vezes, da impossibilidade de deixá-lo muito leve.

Double Tap: Após uma boa regulagem do gatilho e adaptá-lo para “meu dedo” consegui acelerar incrivelmente o double tap, coisa que já não fazia há muito tempo com as armas que vinha atirando. Depois que migrei para a Production, nunca mais consegui fazer um disparo, em double tap, com intervalo menor que 0,20s em armas da production.

Porém, nos testes iniciais que fiz, consegui fazer disparos em alvos próximos com intervalos de 0,15s (em duas séries fiz intervalos de 0,12s e 0,13s). É certo que não é sempre que faremos tais disparos em uma competição, mas o bom é saber que se for preciso, a arma responderá à altura.

Precisão: A precisão da arma também é incrível e ela tem o sistema cônico de fechamento. O cano é mais fino perto da rampa e vai se alargando para a ponta, terminando incrivelmente robusto (daí o que disse antes sobre a qualidade do cano).

Calling the shots: Outro ponto que pude avaliar é a recuperação para o segundo tiro, isso realmente é impressionante, o que certamente é proporcionado pelo peso mais elevado na ponta da arma, inclusive com o frame alongado (longer dust cover). Em testes, a recuperação para o segundo tiro é sensivelmente mais rápida na Stock II do que em minha outra arma, a Limited Pro, parecendo que você está disparando com uma munição com carga mais leve!!!! Devido a esse equilíbrio da arma, você consegue “chamar o tiro” com muito mais facilidade, sentindo de forma mais incrementada quando o disparo “escapa” um pouco da zona aceitável no alvo.

São essas as primeiras avaliações de minha nova pistola Stock II.

Luis H. Ishihara”

Anúncios
  1. Cesário Souza Soares
    25/novembro/2011 às 20:16

    Jaime, meu colega, só quem gosta mesmo, fica inquieto e com uma espécie de arma dessas, me sinto abstinente e sedento, mas o sistema tenta nos fazer desistir pelo cansaço, pois hoje estou com 3 armas compradas e pagas, tenho todos os requisitos necessários ( exame psicológico, de aptidão, etc…) e o exército muda as normas todas as semanas para se fazer as transferências e essas coisas desestimulam bastante o nosso esporte. Gostaria muito de possuir armas desse nível, mas me desanimo pela burocracia atual. Enquanto não conseguir pelo menos transferir para o meu nome, as armas que eu já comprei, não pretendo comprar outras, mas se tiver alguma dica, por favor me indique, pois faço tudo rigorosamente legal, mas não consigo comprar as coisas que desejo. Obrigado pelo contato, forte abraço, Cesário.

    • 28/novembro/2011 às 13:29

      Cesário, só quem está no nosso meio sabe o quanto as coisas são complicadas e burocráticas. Porém, se fizer direito com as pessoas corretas, tudo se resolve no seu devido tempo. Sabemos, por exemplo, que não é possível adquirir uma arma de outro país em menos de 3 meses. Quem está no meio sabe que pode variar de 3,5 a 8 meses. Isso é normal e está dentro do tolerável. Exija o que é de seu direito.
      Abs, Jaime

  2. Demétrio Medeiros
    25/novembro/2011 às 20:58

    Grande Ishihara, para mim foi demasiado oportuno esse seu excelente review. Depois de fazer um “test drive” com a Limited Custom HC do Jaiminho neste último final de semana, fiquei tão impressionado com a facilidade de atirar com a arma que já estava aqui pensando em migrar para a Standard por conta disso. Agora, lendo suas impressões tão positivas a respeito da Stock II, começo a também considerar a possibilidade de permanecer na Production, desde que com esta arma, já que a arma que eu estou usando no momento não está me proporcionando a devida diversão e satisfação em atirar. Seja como for, portanto, ou permanecendo na Production ou migrando para a Standard, é quase certo que em qualquer caso eu irei de Tanfoglio.

    Aquele abraço

    • Luis Henrique Ishihara
      26/novembro/2011 às 14:16

      demetrio, se vc ficar na production e começar a disparar com a stock II certamente nao vai se arrepender!!!! É diversão garantida, rsrsrsr!!!!! abs

      • 28/novembro/2011 às 13:46

        Demétrio, vc estará bem servido independente do modelo. Pelo que conversamos, percebi que vc está em cima do muro.
        Veja qual é a mais competitiva na sua classe (dentro do seu estado e a nível Brasil), qual é a ação do gatilho que vc pefere, qual te agrada mais visualmente e tb onde estão os seus amigos (importante escolha, pois o bem estar é algo fundamental no nosso esporte).
        Para qualquer esclarecimento, por favor não deixe de me consultar.
        Forte Abraço,
        Jaime

      • Márcio Freire
        26/abril/2013 às 12:59

        Luiz, parabéns pelo sucesso! Grande prazer vê-lo por aqui e por outros posts. Forte abraço. Márcio Ex – Julia Kijima.

  3. 25/novembro/2011 às 21:44

    Olá pessoal,

    A avaliação do Ishihara é bem detalhada e muito fiel à realidade. Não tenho a experiência que ele tem com outras armas (na Production atirei apenas com a Taurus 92 AF e, agora, com a Stock II) mas gostaria de acrescentar o seguinte:

    a) Realmente o peso total da arma e o centro de gravidade deslocado para a frente do ferrolho (como se ele estivesse na massa de mira) chama a atenção e facilita muito a recuperação da visada (seja para disparos rápidos a curta, média ou longa distância);

    b) Com a minha arma anterior, durante a recarga, eu tinha uma dificuldade muito grande em liberar o carregador sem perder a empunhadura da mão forte (eu, praticamente, precisava girar a arma na mão para conseguir acionar o retém do carregador). A minha Stock II com grips de alumínio (acessório oferecido pela própria Tanfoglio) resolveu definitivamente esse problema. Apesar da armação da arma ser classificada como grande (large frame – a mesma armação da pistola que o Jaime usa), consigo acionar o retém do carregador sem alteração da minha empunhadura e, consequentemente, a minha recarga ficou MUITO mais rápida. O grip de alumínio favorece, e muito, a empunhadura da Stock II;

    c) O Ishihara é um atirador extremamente rápido (herança que ele traz dos tempos de Standard). Por outro lado, sou de uma outra “escola” (a Divisão Revólver) e considero que não tenho a mesma “explosão” que ele para tiros rápidos. Apesar disso, no último Campeonato Brasileiro, consegui acompanhá-lo (no que se refere ao tempo) em boa parte das pistas e acredito que isso tenha sido possível, como ele narrou, por causa do mecanismo da arma (que favorece disparos rápidos).

    Em resumo, a minha impressão da arma também é muito boa!

    Grande abraço!

    Allison Verício.
    Campeão Brasileiro de IPSC 2008 – Divisão Production
    Vice-Campeão Brasileiro de IPSC 2011 – Divisão Production

    • 28/novembro/2011 às 13:36

      Grande Allison, realmente seu comentário foi um belo complemento deste feito pelo Ishihara.
      É muito gratificante ver meus amigos felizes e satisfeitos com seu equipamento. E melhor ainda, de Tanfoglio.
      Obrigado por levar o nome Tanfoglio no topo da divisão Production, assim como eu tenho feito na Standard.
      Abração, Jaime

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: