Inicial > Dicas, IPSC, Jaime Saldanha Jr, Tiro Prático > Projéteis Pintados “Lyon Bullets” – Testes .40S&W

Projéteis Pintados “Lyon Bullets” – Testes .40S&W

Se você não suporta o chumbamento no seu cano, fumaça com os projéteis de chumbo e o preço elevado dos projéteis jaquetados, segue aqui uma ótima alternativa. A Lyon Bullets desenvolveu uma tinta especial que reveste os projéteis de chumbo de excelente qualidade proporcionando: a mesma velocidade do chumbo, fumaça semelhante aos projéteis jaquetados, não chumbamento do cano e são precisos. Sem dúvida é o melhor custo x benefício do mercado na atualidade.

Altura:

.
Para os projéteis de 180gr e 200gr, a altura deve ser semelhante a altura padrão da .40 de fábrica (28,90mm) independente do modelo da arma. Isso deve-se ao formato do projétil que tem o início de sua curvatura elevado. Já o projétil de 230gr deve ser montado com uma altura bem superior: aproximadamente 30,70mm. Sua curvatura inicia mais abaixo e exige também um pouco mais de “taper crimp” para evitar problemas de alimentação.

Temos também o projétil desenvolvido especialmente pra mim e para o meu pai que contou com a nossa colaboração no desenvolvimento. Nós estávamos precisando de um projétil um pouco mais leve, com um formato “ogival” intermediário entre os citados acima. Fora isso, nós pedimos um diâmetro de 400″, em vez de 401″, para testar e o resultado foi bem satisfatório. Tanto é que agora toda a linha da Lyon, além de ser calibrada, é recalibrada após a pintura com 400″ de diâmetro. A altura aceita uma variação maior, pois podemos trabalhar tranquilamente de 29mm à 31mm. Agora os usuários de Glock, Taurus, CZ e Tanfoglio (Frame Small) poderão utilizar um projétil pesado, se quiserem. Já utilizei estes projéteis nos meus 3 últimos campeonatos e vou utilizá-los no campeonato mundial em Outubro deste ano.

Vale ressaltar dois detalhes importantes: As alturas dos projéteis vão variar de acordo com a arma/cano utilizado e um “Factory Crimp” é essencial para os projéteis pesados e recomendados para todos os outros.

Obs: Estas marcas no topo dos projéteis na foto acima, é devido ao “die” da marca Dillon que eu utilizo. Vejam no final deste post os projéteis antes da recarga.

Precisão:

Para comprovar o que estou dizendo, fiz um teste de precisão com os 4 principais modelos dos projéteis de .40 S&W.O teste foi realizado a uma distância de 13 a 14 metros com a minha Tanfoglio Limited Custom HC com disparos bem lentos, em pé e sem apoio. Portanto pequenas variações devem ser relevadas.

.
Leves x Pesados:

Como quase todos sabem, eu sou adepto aos projéteis pesados, contrariando quase todos os ponteiros da divisão Standard no Brasil e no mundo. No exterior, eles possuem pólvora adequadas para todos os calibres, inclusive para .40S&W e 38super. Já nós brasileiros, pobres mortais dependentes do monopólio da CBC, não possuímos uma pólvora boa para estes calibres, principalmente para o 38super. A pólvora nacional dilata as câmaras dos canos mais rápido, gerando um excesso maior de pressão e quanto mais leve o projétil, mais “ardida” vai ser a explosão.

A maioria dos ponteiros da Standard utilizam projéteis de 180gr devido a velocidade de ciclo da arma. Eles preferem ter uma arma mais rápida/arisca na mão do que algo mais lento/suave. Eu já penso diferente, mas deixo bem claro que arma e tipo de munição é algo muito pessoal, cada um tem um estilo e o que é bom pra mim, pode ser péssimo para você. Além disso, basta treinar com o seu equipamento para acostumar-se com ele e alcançar o equilíbrio necessário: arma x atirador x munição. O que não podemos é ficar trocando de projétil, pólvora e mola recuperadora o tempo todo, isso será péssimo para a sua evolução.

Todos os projéteis Lyon (pintados) em linha:

.
Lyon Bullets: Profissionalismo com qualidade! 

Contato:

http://projeteispintados.wordpress.com

E-mail: morbin@uol.com.br

Anúncios
  1. Idelma
    31/agosto/2011 às 6:59

    Esse material é SHOW. Parabéns Jaiminho.
    Abraço

  2. Peter Paul Mauser (PPM)
    31/agosto/2011 às 9:12

    Caro Jaime,

    Inicialmente, parabéns pelo extraordinário desempenho que você tem nas pistas, pelo ótimo blog, e pelo excelente artigo acima, sobre os projéteis pintados.

    Só uma dúvida, sobre a qual apreciaria seu esclarecimento :- você menciona, no texto acima com a epígrafe “Leves X Pesados”, que “… a pólvora nacional dilata os canos mais rapidamente, gerando um excesso maior de pressão …”.

    A dúvida :- com a dilatação da alma do cano, não ocorreria o contrário, ou seja, a pressão cairia, na medida em que, estando o diâmetro interno da alma do cano um pouco maior, o coeficiente de arrasto do projétil seria reduzido, uma vez que o atrito será menor, com conseqüente redução da pressão decorrente da maior facilidade com que o projétil desliza pelo cano? Ou seja, à medida que que o cano vai se aquecendo, e portanto dilatando-se, os níveis de pressão vão gradativamente diminuindo?

    Um fraternal abraço.

    Peter Paul Mauser (TD, CTC e Atirar).

    • 31/agosto/2011 às 9:50

      Olá Peter, na realidade com a nossa triste realidade das pólvoras nacionais, o que estraga são as câmaras dos canos e não propriamente a alma/raiamento dos canos.
      O que você disse faz todo sentido. Com a câmara mais dilatada teremos menos pressão/menos velocidade, porém para manter o fator de potência, obrigatório na nossa modalidade, nós teremos que colocar mais pólvora e isso implicará em outros problemas como por exemplo a dilatação acima do normal dos estojos dentro da câmara causando problemas na ejeção. Isso é muito comum na Open (38super fator maior). Na Standard isso acontece com mais facilidade com quem utiliza projéteis leves jaquetados.
      Só para vc ter uma idéia… Utilizando 5,5gr de pólvora X com um projétil pintado de 180gr eu terei um fator de potência de 172. Se eu utilizar um projétil de 180gr jaquetado eu terei que colocar 6,0gr para chegar no mesmo fator de 172. Já para um projétil de 220gr eu utilizarei algo em torno de 4,0gr.
      Qualquer dúvida estou a disposição.
      Abraços, Jaime

    • Alessio Aurili
      28/setembro/2011 às 12:20

      Oi Jaime e Peter estou a muito afastado do tiro mas se me permitirem posso dar um pitaco??
      bom ninguém negou então la vai.
      o que ocorre quando utilizamos munição que trabalha com pressão interna elevada, “excesso de pressão” ( podemos constatar isso pela simples analise da espoleta que fica chapada ou até com a marca do percursor plana, e a dilatação excessiva da capsula na sua parte inferior), quando trabalhamos com munição com essa característica ela vai causar com o tempo uma dilatação excessiva da câmara do cano, o projetil pintadas na ” minha época utilizavam teflon”, são um recurso muito interessante para diminuir o arrasto do projetil dentro do cano o que facilita a diminuição da pressão da munição pois precisamos menos pólvora para atingir a mesma velocidade.
      a dilatação da câmara pode causar varios problemas o mais característico é dificultar a estraçao da capsula, sem contar que acaba com as capsulas que sao caras e de dificil reposição.
      na minha época tínhamos um problema com essas munições, que de vez em quando ela dava um fly, ou seja, o projetil ia longe de onde o normalmente agrupávamos os tiros, na época a mais provável( pois não tínhamos certeza) causa, era que a camada de teflom sobre o projetil as vezes era mais fina diminuindo o diâmetro do projetil, causando esses tiros perdidos, mas acredito que hoje isso já tenha sido devidamente superado pelo que o Jaime já vem constatando.
      bom obrigado

  3. 31/agosto/2011 às 19:57

    Fala Jaime,

    Excelente matéria!

    Só para reforçar o que você disse, venho usando os projéteis da Lyon há algum tempo e, a cerca de dois meses, fiz a transição do chumbo para os projéteis pintados.

    Eu nunca observei grande problema de chumbamento na minha arma mas, a fumaça era algo que sempre atrapalhava. Fiz testes (para não ter dúvida, filmei uma sequência de disparos com projéteis de chumbo e, imediatamente após, com projéteis pintados) e constatei que o nível de fumaça foi reduzido drasticamente. Não posso dizer que ele desapareceu mas deixou de incomodar.

    Além disso, para as pessoas que não conhecem o Cassiano, vale dizer que é uma pessoa séria e transparente nas suas negociações.

    Grande abraço!

    • 31/agosto/2011 às 22:31

      Bom comentário Allison !!! Já fiz este teste tb, inclusive com projéteis jaquetados. E o resultado é aquele que postei.
      Um forte Abraço e bons resultados com o novo brinquedo.

  4. Flavio Fonseca
    31/agosto/2011 às 21:35

    Ola Jaime eu gostaria de saber se tem produlao de projeteis pintados de 45 com 155 grans. Atiro de TP45 com alta velocidade e com cbc217.
    Grato pela atençao Flavio Fonseca

    • 31/agosto/2011 às 22:33

      Flavio,
      Pelo que eu saiba, eles não estão produzindo projéteis de 155gr para 45acp. Mas de qq maneira entre em contato com o meu amigo Cassiano: proshooter2011@yahoo.com.br – Cel: 11 7821 7831 – Nextel: ID 55*111*67487
      Abs, Jaime

  5. Marcelo M Arantes
    12/setembro/2011 às 23:49

    Jaime, bom dia.
    Em relação a sua preferência por utilização de projeteis pesados na .40, como você equilibrou a relação recuo X recuperação da visada na sua arma? Mais especificamente, tens usado guia mola hidráulica? quantas libras tens usado na mola recuperadora? a que velocidade da sua tanfoglio com ponta de 230? usa pólvora 219?
    Obrigado.
    Abs,Marcelo.

  6. Carlos Justo
    06/março/2016 às 13:01

    Muito bom o artigo! Me ajudou demais!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: