Inicial > Dicas, IPSC, Jaime Saldanha Jr > Teste de precisão de projéteis – 38super

Teste de precisão de projéteis – 38super

 

Como muitos sabem, eu tenho uma parceria com meu amigo Roberto Pimentel da Buffalo Projéteis. O Cassiano também está disposto a ajudar da melhor forma possível com os projéteis pintados, que no meu caso serão para treino.

Minha nova Pistola Open vem original da Tanfoglio com 12 furos no cano, sendo 6 de cada lado em “V”, mais um compensador de 2 câmaras. Devido a nossa carência de uma boa pólvora para o calibre 38super, nossas armas sofrem muito e problemas não demoram para aparecer.

Pensando desta maneira, eu e meu pai pedimos para nossos parceiros desenvolverem uma ponta de peso aproximado a 130gr, aumentanto assim cerca de 5gr dos tradicionais projéteis de 125gr. Desta maneira conseguimos reduzir 0,5gr de pólvora tanto na ponta jaquetada da Buffalo como nas pintadas do Cassiano, poupando de forma singela nossos canos.



O teste foi feito com 5 tipos de munição:

1ª) Jaquetada – Buffalo: 130gr / 8,0gr de pólvora / Fator: 160,5
2ª) Pintada Cassiano: 132gr / 7,3gr de pólvora / Fator: 159,8
3ª) Original CBC: 130gr  / Fator: 137,0
4ª) Pintada Cassiano: 125gr / 7,8gr de pólvora / Fator: 160,9
5ª) Jaquetada – Buffalo: 125gr / 8,5gr de pólvora / Fator: 162,8

Obs:

– Sem velocidade – aproximadamente 1 disparo a cada 2,5s.


– Todos os disparos foram efetuados à 15m de distância
.

– Fiz os disparos em pé, sem o uso de apoios. Portanto podemos considerar uma pequena margem de erro para este teste.

 Resultado:Quero deixar aqui registrado a qualidade de todos os projéteis testados. Os jaquetados do Pimentel eu já conheço de longa data e só comprovou o que eu esperava, mas os projéteis pintados eu sinceramente fiquei surpreso com o resultado.

Conclusão:

Neste primeiro teste que eu fiz, o melhor agrupamento ficou sem sombra de dúvidas para a 1ª configuração de munição. O projétil de 130gr da Buffalo não teve nenhum disparo solto, todos se tocaram, formando um belíssimo agrupamento.

Já a arma, eu me assustei desde a primeira vez que eu fiz o Tiro Rápido de Precisão na etapa paulista de Avaré do ano passado, fiz os 200 pontos logo de primeira. Neste teste não foi diferente e se alguém tem dúvidas da precisão desta arma, está aqui a prova da evolução destas máquinas italianas.

Daqui alguns dias farei um comparativo entre estas mesmas munições, só que a análise vai ser sobre agrupamento com disparos sequanciais com velocidade, doble tap e a minha sensação com relação ao recuo.

Contatos:

Cassiano
Tel: 11 7821-7831
E-mail: cassianofilho@yahoo.com.br

Anúncios
  1. jose mauricio de paiva
    14/janeiro/2011 às 15:43

    Valeu Jaiminho! Você sempre solicito e prestativo.
    Seria pedir muito pra você estender esse teste pras 40, standard?
    Um grande abraço.
    Mauricio.

    • 14/janeiro/2011 às 17:00

      Com certeza farei Mauricio, mas antes preciso fazer um post sobre o recuo destas munições. forte abraço, Jaime

  2. Marcello Morbin
    16/janeiro/2011 às 1:54

    Grande Jaiminho,

    Obrigado pela grata surpresa que encontrei postada aqui em seu blog.
    Eu e o Cassiano, estamos estudando e aperfeiçoando este material pintado diariamente, como mais uma opção de produto para o universo do IPSC e demais categorias.

    Estamos ao seu inteiro dispor para quaisquer outros calibres que por ventura voce queira testar dos nossos projéteis pintados.
    Suas considerações, experiencia e sintonia fina para os ajustes serão muito bem vindas, creio que falo por muitos atiradores.

    Grande Abraço.

    Marcello Morbin

    • 18/janeiro/2011 às 8:13

      Morbin, eu só tenho a agradecer a sua disponibilidade e a do Cassiano. Esse respaldo é muito importante pra mim e faço questão de divulgar aqui o meu ponto de vista, pois creio q tb é importante para os atiradores do Brasil.
      Obrigado.
      Abs,
      JAime

  3. 16/janeiro/2011 às 11:30

    Jaiminho, Existe uma relação direta entre o aumento da
    velocidade e a dispersão do agrupamento para armas curtas.
    Ultrapassando a velocidade conseguida no melhor agrupamento a
    consequência é o grupo aumentar. Interessante a questão da
    diminuição da carga para preservar o cano. Gostaria de saber por
    curiosidade, se alterou a compensação e o ciclo da arma. não tenho
    experiência com a .38 super, como vc bem sabe as .45 eram e ainda
    são minha paizão. Da mesma forma, nosso amigo Pimentel me ajudou a
    desenvolver uma liga que diminuia o peso do molde H&G 68
    aumentando a velocidade e a eficência do compensador, pois naquele
    momento estávamos contando com pólvoras de base dupla que diminuia
    a pressão e não colocava em risco o cano. O ciclo que consegui com
    a .45 foi incrível, o pessoal lá fora perguntava sempre com o quê
    estava atirando, pois não reconheciam a relação do ciclo com o
    estampido. Me lembro de ter atirado um estágio sequencial de 4
    pistas no Mundial da Austrália em 91 imediatamente após o John
    Dixon, que havia ganho o Europeu em 87 que também participei, e
    ganhei dele as 4 pistas no tempo, pois eram alvos metálicos. O cara
    ficou incomodado, o Maurício Freire estava comigo e rimos muito, pq
    o Dixon havia trocado para .38 super naquele ano, mas havia ganho o
    Europeu com a .45, mesmo com os europeus principalmente, usando a
    super. É claro que o Dixon já estava meio “cansado” e eu estava
    tinindo depois de perder muito peso e preparação física rigorosa
    com o Kazuo Nagamine. Grande abraço, Aureo.´.

    • 18/janeiro/2011 às 8:24

      Aureo, vc é das antigas mesmo hein… Não sabia que vc tinha disputado o mundial de 87 e 91, muito legal mesmo !!!
      Na realidade é bem isso que vc falou… na teoria, se utilizamos furos no cano e/ou compensador, temos q usar uma ponta leve com mais carga e para uma arma standard, sem compensação, ponta pesada com pouca carga. Mas infelizmente no Brasil nós não temos uma boa pólvora no mercado e na realidade não é o cano q se desgasta (acho q expliquei superficialmente no post), mas sim a câmara que se dilata atrapalhando e muito a extração. Esse é o maior problema das nossas Opens de hoje aqui na Brasil. Lá fora os caras podem escolher entre Vitha, Vectan, entre outras… excelentes polvoras q queima mais lenta que não judiam tanto da arma.
      Já com relação ao recuo, eu já te adianto que não senti muita diferença com este acréscimo de 5gr no projétil. Dentro de poucos dias, eu vou tentar fazer um comparativo bacana com vídeos destes diferentes tipos de projéteis.
      Obrigado por dividir conosco a sua experiência de tiro/vida.
      Abs,
      Jaime

      • 01/fevereiro/2011 às 17:56

        Jaiminho, tudo começou em 84 e em 85 já fomos para o primeiro mundial de combate, ganhando por equipe (3 armas). Em 86 é que começamos a ralar com nossa primeira participação no IPSC, neste ano atirando com 9mm, depois até 91 só com a “espetacular” .45, graças as pontas especiais do Pimentel. Depois acabei atirando sem querer em Israel em 97 e nunca mais. Não ligo de ser comparado com os Dinos (rsrsrsrs) afinal estou bem acompanhado. Felicidades meu irmão. DVC

  4. Pimentel
    17/janeiro/2011 às 12:27

    Jaiminho: Obrigado pelo elogio. Desejo que você sempre continue a trilhar e galgar o pódio. Estaremos brevemente fazendo também o coating nos projeteis fundidos, porém em TEFLON, que é mais indicado para altas temperaturas e atrito.
    Um forte abraço e aproveite bem o Shot Show

    • 18/janeiro/2011 às 8:30

      Grande Pimentel,
      Já tem alguns anos que você me dá uma força e eu só tenho a agradecer.
      Quero ser o primeiro a testar estes projéteis, ok !
      E infelizmente eu não vou ao Shot Show, só meu pai foi.
      Forte Abraço,
      JAime

  5. Ricardo Lima
    18/janeiro/2011 às 22:15

    Boa noite Jaime!! Otima idéia!!! Agradecemos seus posts aqui pela dedicaçao que vc tem ao tiro…. com certeza vou adaptar essas informaçoes para a modified!!!!
    Aproveitando, parabéns.. muitas felicidades!!!!

    Abracos
    Lima e Le

    • 19/janeiro/2011 às 13:28

      Certo Lima !!!
      Me diga depois o comportamento da arma.
      Obrigado pelos parabéns !!!
      Abs,
      JAime

  6. alexandre pimenta
    10/setembro/2012 às 23:30

    Eu nao entendo o que esta acontecendo com essas pontas pintadas, pois ja usei de tres fabricantes diferentes e tenho discutido com colegas e todos reclamam da msma coisa, e sempre acontece de uma ou outra te deixar zangado na pista, o que nao acontece com a de chumbo. O que vc me diz t Abco Alexandre Pimenta

    • 11/outubro/2012 às 22:17

      Eu precisava entender o q está acontecendo. Vc poderia me explicar melhor? Abs, Jaime

      • projeteispintados
        11/outubro/2012 às 23:17

        Caro Alexandre,
        Tambem fiquei curioso com seu post, voce poderia fazer a gentileza de especificar qual é o fabricante, que tipo de projétil voce está se referindo e qual seria o aborrecimento que voce e os colegas estão tendo ?
        Abraços e aguardo.
        Marcello

      • Alexandre Pimenta
        25/outubro/2012 às 14:24

        Marcelo e Jaiminho, já utilizei tanto da bufallo como do caciano, todas as vezes tive problemas na alimentação. Acredito que o problema da ponta pintada ,depois de ter conversado com vários atiradores e inclusive com um ex fabricante de ponta, talvez esteja na polverizaçao de tinta, espessura da camada, talvez esteja saindo acima do ideal. Acredito que seja na demão da tinta. Abraço. Alexandre Pimenta

      • 25/outubro/2012 às 23:21

        Prezado Alexandre, discordo do seu ponto de vista. Conheço tranquilamente mais de 200 competidores que utilizam os projéteis da Lyon pintados entre os mais diversos calibres, pesos e formatos, e afirmo que 99% estão totalmente satisfeitos. Sem dúvida é disparado e melhor custo x benefício no nosso mercado. Att, Jaime

  7. 26/outubro/2012 às 18:56

    Prezado Alexandre, Repito as palavras do Jaime, mas com um pouco mais de ênfase no esclarecimento. Mesmo que houvesse “pulverização” excessiva de tinta e isso causasse o aumento da expessura da camada, ainda assim, quando da calibração posterior seria corrigida a medida na sua íntegra.( calibramos após a pintura ) Creio que o amigo esteja sim fazendo algo errado na sua recarga, verifique a altura da montagem e o “resizing” dos estojos, aliás nos informe qual é o calibre utilizado e em que tipo de projétil está verificando este inconveniente. Somente com esses detalhes poderemos tentar ajudar , mesmo os projéteis não sendo os da LYON . aguardo. Marcello Morbin Lyon Bullets.

  8. Carlos
    11/janeiro/2014 às 23:37

    Qual pólvora foi usada na munição recarregada.

    • 01/abril/2014 às 23:05

      Pólvora CBC 217 com projétil de 200gr da Lyon Bullets.

    • 02/abril/2014 às 9:27

      Porque treinar com um tipo de projétil e atirar com outro???
      Não seria lógico vc unificar???
      É o mesmo que treinar de Tanfoglio e atirar de Taurus…..

  9. 11/março/2015 às 22:15

    deixa o pessoal de Ariquemes escutar voçe falando taurus kkkk

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: